Um blog sobre Estados Unidos, Brasil e pensamentos aleatórios. Have fun!

Who read my blog until now?

United States, Brazil, Portugal, United Kingdom, Germany, France, Japan, Ireland, Canada, Netherlands, Turkey and Uruguay.
Aperte Ctrl + para aumentar o texto e Ctrl - para diminuí-lo.

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Tirando a cor de neve


Galera, eu tô no Brasil. Fico até dia 01 de março, portanto os posts serão feitos após essa data. Num calor desse, não rola ficar pendurada no pc... rs! 

Beijoo... 

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

E São Pedro continua fazendo raspadinha

(frente de casa)

O estado de NY estava em alerta nessa quarta-feira, dia 10/02/2010. A neve vinha com tudo, e até que, consideravelmente, veio. Nevou muito e o dia todo. Os principais locais estavam fechados, incluindo escolas, mercados, farmácias, etc. Alguns fechados já na terça-feira. A coisa foi feia. O frio não era tanto, estava em -3º C, mas dava pra aguentar de boa. Essa foto é na frente de casa. Dá pra ter uma idéia de como as coisas ficaram por aqui. Tudo supeeeeer branco e bem bonito. Já que não tinha outra saída, o melhor era se divertir na neve. Brincamos, escorregamos, fizemos boneco de neve e até um iglú. Foi divertido. Aqui fica registrado o que passou. Continuo inteira, esperando o calor infernal do Brasil. E tô levando um barco pra lá também. Sei que a chuva não pára.

Tirando o fato que a Mari Cecconi, sentiu o terromoto na madrugada, em Chicago, está tudo indo bem. O negócio é rezar pra terra não tremer mais e pra São Pedro parar de fazer raspadinha logo. Já perdeu a graça! 

Um beijão... Faltam 7 dias pra estar no Brasil. Meu coração ainda sairá pela boca. 

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Yo no hablo español

(Os veadinhos que perambulam pelas ruas. Na foto New Jersey, mas em New York tem também. Figuraças.)

Meu Deus! Acho que foi a milésima vez que alguém me pede pra falar espanhol. Peguei o café  na faculdade, fui pagar e a mulher vira dizendo "cinco con setenta y cinco", daí lógico que eu disse "sorry, I don't speak Spanish". Ela ficou sem graça e falou em inglês. Ah, pelo amor de Deus gente. Na aula, a menina vira e diz uma frase em espanhol, daí eu entendi não entendendo. Virei pra ela e disse "o que vc disse?". Ela repetiu em espanhol. Então contei pra ela que eu sou do Brasil, e falo PORTUGUÊS (mais uma vez). Ela mudou o rumo, consertou o fato e prosseguimos com o trabalho. Ah por favor né?! 


E outra, no "BRAZIL" NÃO SE FALA "BRAZILIAN", SE FALA PORTUGUÊS. Já ouvi esse fora algumas vezes e esqueci de comentar no post "inteligência artificial". E só porque eu tenho essa cara, esse jeito latino, eu tenho que falar espanhol? Ô meu Deus, paciência viu. Esse post foi só pra desabafar. Me lembrei do post do escapulário. Quem puder, releia. Vale a pena. 

Estatística de hoje: 63 usuários assíduos. Puxa! E estica... nossa!


quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Yo voglio parlare

(Eu e a Mari na casa da Pri)

Fiz o cadastro no google analytics há 1 mês pra acompanhar o progresso ou regresso do blog. Hoje foram 40 visitas novas. Interessante. Qual foi o post mais acessado? "7 meses de pecados capitais". Interessante. 2 países na lista de visitantes. Isso significa que os amigos da Europa não lêem o que escrevo rs. Tenho Brasil e EUA na lista. Caramba, está controlada a coisa. Mas os números não me interessam. Gosto de analisar mesmo e simplesmente saber que tipo de história cativa as pessoas e até que meus "visitantes" tem bom gosto. Foi um bom post o dos sete pecados.

Hoje trouxe as crianças pra aula de natação. Normalmente quem faz isso é o pai. Parei um minuto e me lembrei que um dia a aula foi cancelada por causa de raios, mau tempo. Parei outro minuto e pensei "numa piscina coberta é possível que os raios interfiram?". Tô confusa. O prédio é enorme e tem tudo quanto é tipo de atividade e mesmo assim é possível ter problemas com raios? Vai pro raio que o parta rs. O que brasileiro tem mania de atraso, americano tem de cancelar as coisas. Hoje minha aula foi cancelada por causa da neve. Não, não tava nevando. Nevou, ficou tudo branco, é motivo pra cancelar. Nem foi lá aquelas coisas pra ter motivo pra cancelar. Claro que como todo estudante que não tinha terminado a lição, eu fiquei feliz rs.

Esse novo curso tá dando dor de cabeça. Na primeira aula estudamos sobre o Egito. Eu não sei do Egito nem em português, em inglês então. Meu Deus!!! Vamos ver no que dá. Todo conhecimento é bem-vindo.

Me tornei assídua de uma coisa meio maluca, o famoso Twitter. Quem quiser me seguir é só clicar em @umchocolate. Digamos que eu não entendia o fundamento dessa coisa, mas até que é bacana. Você entra, fala o que pensa e compartilha com quem te segue. Comecei a pensar em usá-lo quando a Fê me mandou a música do Teatro Mágico, "o que se perde quando os olhos piscam", que foi feita através do Twitter. Fernando Anitelli, o vocalista e idealizador do projeto "O Teatro Mágico", junto aos fãs, fez a música pelo Twitter. Resumindo, toda ferramenta tem uma utilidade, basta saber ser útil. Entendeu o trocadilho? Ou pleonasmo? Muitas vezes até uma coisa idiota parece fundamental. Você pode dizer tudo o que pensa. Não existe ditadura anymore.
Gostei da brincadeira gostosa de falar o que quiser, ler o que aparece e responder o que convém.
Resumiria o Twitter nisso.

Frase do dia: "Você não sente dor nas pernas por fugir dos meus sonhos todas as noites?"

Não acumule idéias.
Idéias cheias de pó e de ferrugem não mudam o mundo, não mudam nem sequer o seu submundo.

Recado: PH, ex-professor e eterno queridão pela Famec, obrigadíssimo pelo comentário. Seu caráter diz muito. Sua essência, muito além. É um prazer ter sua amizade, de verdade.




terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Inteligência Artificial

Este post é especial.

Contei com a ajuda de algumas amigas au pairs (em especial a Tássia) e com outros comentários surpreendentes. Logo você entenderá.

Pela foto já deu pra entender que é sobre alguma loucura que vi ou ouvi por aqui né? Tirei a foto no Museu de História Natural em New York, reparem... MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL DE NEW YORK, deu pra entender? Agora alguém me explica essa barbaridade? Em que aula de geografia a Amazônia é desse tamanho, que eu não tô lembrada?! Me perdoe pela aula que dormi. Só pode ter sido nessa bendita aula que a professora comentou.

Esse museu tem história, literalmente. Foi onde gravaram "Uma noite no museu".
Agora sim vai dar o que falar. Mas cá entre nós, é possível isso? Por favor, sério, se houver uma explicação, apresente-a.

Outro fator que desperta a curiosidade aqui. O que os americanos, ou estrangeiros se for o caso, pensam do Brasil? Coisas sinistras? Absurdas? Patéticas? Acreditem, eu achei que já tinha ouvido de tudo, mas a cada mês, ou semana, ou dia, é mais uma frase surpreendente.

Vamos às frases campeãs e suas "supostas" respostas:

"São Paulo é dentro do Brasil? É na costa?"
R: Não. Ultimamente São Paulo é uma ilha. (Só chove mesmo).

"Vocês tem hambúrguer? Tem Mc lá? De verdade?"
R: Sim. É de minhoca também cultivadas nas melhores fazendas.

"Como faço pra ver os índios se for pra lá?"
R: Vá para o Metrô Anhangabaú e pegue o primeiro barco. Desça depois da ponte.

"No Brasil tem favela mesmo?"
R: Você tá falando das casas ou de grupo de pagode?

"Tem tigre andando por lá? Nas ruas?"
R: Tem tigre, tem vaca, tem veado, tem caranguejo e tem puta também.

"É verdade que no Brasil as mulheres são altas?"
R: Sim, altas e magras. (O Brasil é o máximo).

"Os macacos não ficavam pendurados nos prédios?"
R: Ficavam, mas aí demoliram o prédio. (Carandiru).

"Pizza com catchup? Afffffff que nojo."

R: E desde quando (aqui) comer no Mc é higiênico?

"Como é que vai o Pelé?"

R: Tá melhor que o Maradona. Me ligou ontem depois da reunião com o Zico.

"Vocês tem um jogador famoso por lá né? Ronaldinho? Ronaldo?"

R: Kaká, Romário, Bebeto, Dunga, Rivaldo, Roberto Carlos e um tal de Pato.


E assim a vida continua e a saga se aprimora...


Se alguém lembrar de mais algum fora, é só postar nos comentários.


Beijo galera.

HOPErança

(Foto: Eu em Washington - DC, em 2009. Memorial da Segunda Guerra e Lincoln Memorial)

Olá blogueiros,

Faltam 16 dias pra estar no Brasil. Parecia uma eternidade quando comprei as passagens, e pensava “Nossa, como demora!”. Hoje vejo que o tempo é nosso maior aliado e ao mesmo tempo nosso maior inimigo. Aliado por passar rápido e nos mostrar o bons resultados das ações, mas por outro lado, ele parece tão lento, tão impetuoso que até nos machuca. Me sinto um pouco melhor, encontrando respostas mais sábias, me apoiando nas palavras de amigos e familiares e seguindo. É normal que eu tenha fase deprê, eu não sou de ferro e estou há sete meses longe das pessoas que mais amo nesse mundo. Estou vivendo o que chamamos de PESSOAL X PROFISSIONAL. Investir num futuro, morar fora, estudar outro idioma e ao mesmo tempo deixar todos os amores na outra ponta do mapa. Às vezes me pego pensando no quão louca pude ser quando assinei o contrato. Por outro lado penso o quão corajosa pude ser em tal decisão.

Mundo maluco esse não? Isso é viver e se descobrir. Nós sempre estamos nos descobrindo, e quase sempre nos surpreendendo.

Escrever nesse blog é uma terapia sem tamanho e parece que alivia um peso de 300 toneladas das costas. Eu não espero que ninguém venha “ó coitadinha”, e nem espero alguém pra dizer “uau, que máximo”. Escrevo o que me dá na telha e compartilho a experiência de viver longe, de conhecer o novo e de passar um frio lascado rs. Por falar em frio, ontem de manhã estava em -12º graus Celsius. Puta merda, pra que tudo isso não é mesmo? Daqui a pouco passa uma nevasca aqui. Sai fora.

Por falar em nevasca, me lembrei do terremoto no Haiti. No curso novo, tenho uma colega de sala que é de lá. Nunca achei que pudesse ter alguém tão próximo vivendo a tristeza do que aconteceu por lá. O nome dela é Janete, ela disse que perdeu amigos queridos e que por sorte os familiares mais próximos tinham se mudado pra cá também, então ela não chegou a perdê-los. Só de me explicar o que sentiu e o que vive o povo do Haiti nesse momento, ela quase chorou. Foi bem triste mesmo, mas logo mudamos de assunto pra ela não piorar. Ela me parece ser uma boa pessoa, e como qualquer outro ser humano numa situação dessas, está sensível, triste e carente.

Isso serve de lição. Nós reclamamos tanto de algumas coisas na nossa vida, mas acreditem, existem pessoas sofrendo muito mais. Como diz o meu host “enquanto não há morte, sangue ou hospital envolvido, está tudo bem”. E se for parar pra pensar, até que ele tem razão. Sei lá, como diria Joseph Climber, “a vida é uma caixinha de surpresas”.

Saudades galera.

Um beijão.

Refletir

"Quando aprendemos a usar a inteligência e a bondade ou afeto em conjunto, todos os atos humanos passam a ser construtivos."
(Dalai Lama)